Dr. Carolina Matos Senior lecturer, researcher and journalist. Research on international communications, journalism, and gender, democracy and development

Media and politics in Latin America: o livro

Media and politics in Latin America: globalization, democracy and identity (IB Tauris, 2012) será lançado em versão traduzida pela Civilização Brasileira, da Editora Record, em janeiro de 2013
Por Carolina Matos, autora

O livro Media and politics in Latin America: globalization, democracy and identity (I.B. Tauris, 2012), que foi lançado na Inglaterra pela editora acadêmica britânica I.B. Tauris no final de fevereiro, sairá em edição internacional no dia 24 de abril. Ele tem data prevista para ser publicado também no Brasil pela Civilização Brasileira, da Editora Record, no final de 2012, início de 2013. O trabalho contrasta o papel desempenhado pela mídia pública nos países europeus, principalmente na Grã-Bretanha, com o fortalecimento dos sistemas de comunicação pública no Brasil e em outras nações da América do Sul. As rápidas mudanças que estão ocorrendo na mídia na América Latina têm trazido à superfície debates sobre a implementação de um novo sistema regulatório, fora uma série de exigências feitas por diversos setores da sociedade a favor de reformas.

Uma pergunta que é feita neste trabalho é até que ponto a mídia pública realmente difere das formas comerciais de comunicação. Há assim uma avaliação das teorias sobre como a mídia pública contribuiu para a vida nacional nos países europeus, teorias que são contrastadas com deliberações sobre como a mídia pública poderá contribuir para o avanço do processo de democratização nos países em desenvolvimento, includindo através da expansão da programação independente e da maior representação das identidades culturais nacionais, regionais e locais.

A hipótese central explorada no livro resulta no engajamento crítico com diversas teorias sobre o desenvolvimento, a modernização, o imperialismo cultural e globalização. O trabalho pondera esta pergunta através da investigação das ligações entre a política global e a local, e a maneira como os sistemas de mídia são definidos, e como estes mudaram nos últimos anos, tanto nas sociedades em desenvolvimento como nos países desenvolvidos. A minha meta é portanto estabelecer uma relação entre os problemas locais e políticos de um país como o Brasil com as influências externas e globais nas áreas de comunicação, política e economia.

A minha preocupação reside sobretudo em articular um debate sobre o quê constituti a mídia pública, fazendo um esboço do papel realizado por esta na correção das falhas de mercado e na expansão da democratização da mídia nos países em desenvolvimento. Este debate está enquadrado no contexto, como afirmei anteriormente, da situação de “crise” que a mídia pública está atravessando na Europa a partir do enfoque no modelo da BBC na Grã-Bretanha, que se vê atualmente ameaçado de sobrevivência num futuro próximo.

A pesquisa realizada no livro é altamente multi-disciplinar. Há o uso de uma metodologia teórica de triangulação, incluindo diversas teorias e conceitos de disciplinas diferentes das ciências sociais, passando pelos estudos da mídia à ciência política, estudos latino-americanos contemporâneos, culturais e de desenvolvimento. Eu estive principalmente interessada em como os governos, os partidos políticos e os cidadãos estão respondendo às mudanças no ambiente mídiático nos últimos anos no atual contexto de transformações no cenário político e econômico na América Latina de uma forma geral, e no Brasil em particular, e como isso tem afetado o fortalecimento da democratização da mídia e o crescimento da mídia pública.

A metodologia da triangulação adotada aqui incluiu a condução de entrevistas com jornalistas e acadêmicos, fora um pequeno levantamento com estudantes universitários cujo objetivo é explorar o quê um segmento particular das elites da população espera da mídia pública, e de que forma especificamente ela difere da privada.

A essência do trabalho empírico realizado se concentrou principalmente no Brasil, embora o livro inclua várias referências a outros países da América Latina. Eu combinei a interpretação de uma sondagem pequena realizada com estudantes do curso de Comunicação Social da UFRJ com análises críticas e discussões de programas de televisão da TV Brasil. Eu também realizei entrevistas com jornalistas e acadêmicos na Grã-Bretanha e no Brasil para pesquisar assuntos como a regulação da mídia, a televisão e a política brasileira e britânica. Os principais programas discutidos aqui foram selecionados dos arquivos da TV Brasil e da TV Globo. Em relação à TV Brasil, os programas que foram analisados foram principalmente o talk show de debates Brasilianas.org, o programa jornalítico Repórter Brasil e o programa de entrevistas de cultura e política De Lá Para Cá.

Dado a quantidade limitada de dados empíricos sobre a audiência além da pesquisa de mercado sobre a televisão, eu decidiu conduzir uma pequena sondagem online entitulada “Os Usos da Mídia Comercial e Pública pela Audiencia”. O questionário online foi aplicado no departamento de Jornalismo da UFRJ com a assistência da estudante e estagiária de jornalismo, Manuel Andreoni, que também tornou-se responsável por interpretar os dados principais e algumas das principais descobertas. O questionário foi colocado na Internet durante as férias e no começo do período, com os estudantes fornecendo as principais respostas de meados de julho até o início de setembro de 2010. Ele foi respondido por 149 estudantes de diferentes situaçôes sócio-econômicas.

O meu objetivo aqui foi construir um levantamento para descobrir como setores da audiência brasileira fazem uso da mídia, o que eles entendem sobre a mídia pública, e as suas opiniões e atitudes em relação aos gêneros de entretenimento e programação factual de tanto a televisão privada como a pública. O modelo dominante que surgiu das respostas foi que a penetração da televisão pública é ainda muito pequena, dada a atenção limitada que ela recebeu dos que responderam ao questionário. A maioria assiste à TV Globo e a televisão a cabo e satélite. A confirmação deste fato serve para provar o domínio da televisão comercial na vida diária de não somente estudantes brasileiros, mas de muitos setores da população. Apesar de ainda haver uma falta de conhecimento e de entendimento dos propósitos da mídia pública, um percentual significante de 71% dos estudantes defenderamm no entanto, e reconheceram, a sua importância. Eles também enxergam um papel para a mídia pública na correção das falhas de mercado e no complemento à comunicação comercial.

O método de sondagem foi usado com o objetivo de detectar a forma como uma parte da audiência vê televisão no Rio de Janeiro, um dos principais estados do Brasil. Isso foi combinado com dados secundários oficiais de organizações como a Ofcom na Grã-Bretanha e a BBC Trust, com a intenção de contrastar o padrão de audiência da televisão contemporânea e os hábitos de consumo em diferentes países e regiões. Eu também inclui perguntas abertas e fechadas no questionário online que foi respondido pelos estudantes, incluindo afirmações provenientes de debates acadêmicos e de percepções em relação à mídia comercial e pública.

A idéia foi providenciar um debate inicial sobre o quê as audiências brasileiras entendem sobre a mídia pública, e o quê elas querem das plataformas de comunicação. A tentativa aqui foi articular e desenvolver insights sobre o tópico tanto de uma perspectiva nacional como internacional. Uma parte da pesquisa incluiu também uma análise histórica breve de blogs de partidos políticos e o impacto da politização na blogoesfera brasileira durante a campanhas das eleições presidenciais de 2010 no país, incluindo um enfoque nas discussões sobre as campanhas de Dilma Rousseff e Marina Silva do PV à presidência. As minhas principais preocupações aqui foram com a forma com que a Internet está funcionando para revigorar a esfera pública midiática no país, focando especificamente na maneira como a blogoesfera emergente no Brasil e o jornalismo independente estão contribuindo para fortalecer a mobilização, a diversidade política, ou ainda o fornecimento de informações mais aprofundadas aos cidadãos de diversas situações e eventos a partir de diferentes visões ideológicas.

A primeira parte (Parte I) constrói uma narrativa histórica acerca do desenvolvimento das formas de comunicação pública no Brasil e em outros países-chave da América Latina. A Parte II examina a relação entre a mídia pública e o interesse público, e como esta tradição tem se desenvolvido nos sistemas europeus públicos de radiodifusão, fora o impacto que os mesmos tiveram na democracia e na vida diária em países como a Grã-Bretanha.

O primeiro capítulo da Parte III examina as principais teorias sobre a televisão e os estudos de audiência, incluindo a discussão das mudanças na natureza do meio TV – e da sua relação com a esfera pública e com as audiências, e como estas interpretam as mensagens, além de dsicussões sobre a globalização. O segundo capítulo da Parte III sonda ainda os debates sobre a relação da televisão com a cultura popular na América Latina e no Brasil. O principal argumento intelectual investigado na Parte IV consiste na avaliação dos debates em torno do potencial da Internet de ser um veículo que poderá ou não servir ao interesse público, e a determinados grupos políticos, movimentos e causas.

O último capítulo também avalia as perspectivas futuras para a mídia brasileira, assinalando alguns dos atuais desafios enfrentados pelos sistemas de comunicação, incluindo a adoção de um novo modelo de televisão digital, o crescimento do mercado de jornais e de veículos de mídia segmentados e a persistência de vários obstáculos ao desenvolvimento de uma mídia pública realmente independente e pública.

Dr. Carolina Matos
Follow me

Dr. Carolina Matos

Lecturer in Sociology at City, University of London
Carolina Matos is a Lecturer at the Department of Sociology, City University London. She was previously a part-time lecturer at the Government Department at Essex University. Former Fellow in Political Communications at the LSE, Matos obtained her PhD in Media and Communications at Goldsmiths College and has taught and researched in the UK in political communications, media and politics at the University of East London (UEL), St. Mary’s College and Goldsmiths.

Matos is the author of Journalism and political democracy in Brazil (Lexington Books, 2008) and Media and politics in Latin America: globalization, democracy and identity (I.B. Tauris, 2012), which won the Premio Jabuti 2014 prize, first category in communications. She is also Director of the Jeremy Tunstall Global Media Research Centre at the Department of Sociology, City University London, and also teaches on gender and development at the International Centre for Parliamentary Studies (ICPS), a think thank in London.
Dr. Carolina Matos
Follow me

Comments are closed.

Post Navigation